Maternidade e autoestima em equilíbrio

Com a chegada do bebê e principalmente durante os três primeiros meses de vida é natural que todas as atenções da mamãe sejam voltadas para o filho afinal, além de inspirar cuidados, a presença do recém-nascido na família representa um período de muitas mudanças.

Trocas frequentes de fralda, curativos no umbigo, choros incompreendidos, cólicas e mamadas a cada três horas são apenas alguns exemplos de intensa dedicação ao filho. Só mesmo o amor de mãe para dar conta de tantas responsabilidades com os pequenos.

No entanto, aos poucos, em meio às atribuições e muitas novidades, é possível encontrar momentos para cuidar de si, equilibrando a maternidade e a autoestima elevada.

Mãe e personal trainer, Leilani de Paula considera o estabelecimento de uma rotina um aspecto importante na busca por esse equilíbrio que, embora por alguns instantes possa parecer impossível, é perfeitamente alcançável. “Se o bebê não tiver uma rotina, cada dia será diferente, ele terá mais dificuldades no seu desenvolvimento e adaptação e dificilmente a mãe terá tempinho para si”, comenta.

Ela lembra ainda que nesta fase muitas mulheres ficam sobrecarregadas com as responsabilidades domésticas, cuidados com o bebê e noites mal dormidas, além de terem o risco de desenvolverem quadros depressivos em alguns casos.

Por isso, além do apoio da família neste processo de adaptação às novas responsabilidades, é preciso também gradativamente voltar a olhar para si. “Se o bebê dormiu, aproveite para descansar e também fazer algo que também lhe dê prazer, como ler um livro, uma revista, assistir a um filme, alongar-se ou fazer uma maquiagem, escondendo olheiras, ou simplesmente passando um batom”, aconselha.

Encontrar um tempinho livre para fazer as unhas ou cuidar dos cabelos também é uma dica importante. Se for difícil ir até o salão, é possível contratar profissionais que realizam o atendimento domiciliar. “E acredite: uma renovada no visual faz muita diferença, mesmo que a mamãe vá ficar em casa com o bebê e o marido”, enfatiza.

Outra dica pertinente é fugir da “armadilha” do pijama ou da camisola. Nada de passar o dia com o vestuário de dormir. “Além de mãe, desempenhamos outros papeis. Somos esposa, filha, profissional enfim, somos mulheres, agora mais completas com a maternidade”, observa.

CUIDADOS COM O CORPO

 Em relação aos cuidados com o corpo, nada de radicalismos. Alguns procedimentos bem simples podem auxiliar as mulheres a lidarem com as transformações desencadeadas pela maternidade, além de aliviar dores típicas de quem tem um recém-nascido sob seu cuidado, como desconforto na região das costas. “A dor lombar pode ser aliviada com exercícios pélvicos, conhecidos como ponte”, exemplifica.

As caminhadas leves já são indicadas normalmente após o parto. Aos 15 dias, o ritmo já pode ser moderado, além da realização de alongamentos sem insistência.

Já a partir da sexta semana após o parto, por exemplo, é indicado incluir na rotina alguns exercícios aeróbicos que, entre diversos benefícios para a mãe, poderão até mesmo proporcionar mais disposição nos cuidados com a criança e aliviar o estresse nos dias mais puxados.

Segundo ela, as caminhadas mais aceleradas, alguns exercícios de força e os alongamentos já são recomendados nesta fase. “Os exercícios isométricos, que não requerem uso de materiais e apenas o peso corporal, são os mais indicados e podem ser feitos dentro de casa mesmo, sem que a mãe tire o olho do bebê. Deve-se evitar nesta fase o uso cargas elevadas devido às alterações musculoesqueléticas decorrentes do parto”, explica.

É claro que cada mulher tem um ritmo de recuperação do parto, mas outras atividades específicas, como pilates, podem sem incluídas na rotina, desde que sob autorização médica e orientação profissional.

ALONGAMENTOS

Devido às tensões na região do pescoço e costas por carregar e amamentar e o bebê, é natural também que surjam desconfortos nesta região do corpo nas primeiras semanas após o nascimento.

Para aliviá-los, a personal sugere a realização diária de alongamentos. “Trinta minutos de sono do bebê são suficientes para a mãe alongar a região do pescoço, cabeça, braços e costas”, acrescenta.

BEM-ESTAR

Se não for possível fazer tudo isso, mantenha a calma e lembre-se que uma simples voltinha com o bebê na rua ou um passeio agradável com o carrinho já pode ser um passo importante para se movimentar e buscar o equilíbrio, obtendo uma sensação de bem estar que, sem dúvida, será transmitida ao seu filho, o seu maior tesouro.

advertisement

Deixe um comentário

Adicione seu comentário abaixo, ou trackback para seu próprio site. Você também pode assinar esses comentários via RSS.

Seu e-mail nunca será compartilhado. Campos obrigatórios marcados com *